19 de jan de 2012

Elis Regina Carvalho Costa.





Poema-Canção à pimentinha


O nó



Oh, nó! Oh, não!
O nosso amor parece mais
enredo de matraca
brado de maritaca
turbina de avião

A gente sofre,
sofre até que passa
no domingo da ressaca
quando tranca o barração

E assim mesmo
o batuque que me sobra
é tormento a toda hora
é sambar só com as mãos

É o nó!
Da nossa dor que marca
o que me ama é o que me empaca
pulsos presos pelas mãos

Parece mais um vento quando aplaca
e entra pelas pares do quintal:

Falam toalhas, e os panos se alevantam
cordas não nos adiantam
pratos, qual prantos, vão ao chão
Oh, nó! Oh, não!

É o nó,
que me entrelaça feito louca,
dupla camisa de força
que desfiar com unhas moucas
só embola esse cordão.
Oh nó! Oh, não!

Se eu me rasgo e o nu me deixa
e mais estico e tu se queixa:

E se o nó, abusado, se ata em outra
faz meu berro como doida
enrolou meu coração.
( E eu me mudo de canção)
Oh, nó! Oh, no!

Desato nem
e o meu bem já me faz falta
chuva,volva logo pressa casa
pra esse meu pátio inundar

Vem pela noite
escorrendo de mansinho
no telhado, agulha e linho
até o meu trovão raiar

De novo a foice
corta a cana e me faz doce
tanto caldo que me trouxe
pro azedume coração-ão!
Outra vez nó! Oh, não!

Aurora escura
com veneno é que se cura,
mãos com mãos, minha cintura
castanho baixo, o nosso vão

O verde se vira em roxo-alvo
E os tão bravos ficam calmos
no disco, a mesma canção
Oh, não!

E para quem tanto brigou
now línguas nossas várias dançam
e a nostra voz tagarelou:

Vestidos amassados andam
cadarços, cordões se arranham
É o nosso nó! Oh, Nó...
Que re-enroscou! 
Oh nó! Oh, não!




Arquivo do blog