14 de nov de 2017

Indigno dia



Indigno dia

A essa hora
jaz em mim a pressa e a dor é a única acordada
porque mesmo a tristeza já não se aguentara;
esmoreceu, antes da meia-noite, a fadiga sem a calma.
Debaixo de um ombro o pudor se aqueceu com a febre
do pensamento que se foi justo ao fim da tarde
de tanto aguardar a decência e o fim
Aquela, que sequer amanheceu !

(mas este, sim.)





Juliano Salustiano

12 de out de 2017

Santinha

Santinha


Santinha fica para lá
Um quarto só para ela
Longe da sala de estar

Ela tem os móveis todos para remover deles a terra
Não há mais ao menos do que chorar daquela guerra
Palestina onde pelo o nada tudo se mata 
E onde o sereno já se perdeu da medida exata

Teve que se vir com o filho de longe
Lá onde o coronel decidiu comer o mundo
Com colher garfou de um tudo, exceto a fome
Que se dividiu à força entre os vagabundos

Santinha fica para lá
Num canto de um bar
Longe da sala de estar

Tenta ler as letras cozidas do caldo da lida
Entre a convalescência do menino e seu ritmo
Em seu contrato reza a bula que será isso para toda vida

Santinha fica para lá da carne
Um prato de moedas só para ela
Ouve à noite os que gemem baixo a prece

Está cansada como a água da tubulação
A pressão jamais chegou ao seu patamar
De sangue vai rígido seu pescoço em aflição
Hora de dor, dor não se diz; hora de amar, só de sonhar.

Tem quem se impressione, de escrever e de ver
Que santinha se tenha às ventas tantos filhos
Apartada em terra do seu mundo e ser
A mãe preta e inerte de tantos maus sobrinhos

Santinha lameia seu corpo com creme
O cheiro dela não chega à sala de estar
O vestido de estrelas é o azul escuro de sempre

Os meninos brincam na sala de estar
A Santinha olha por eles sem se enfiar
Bota pela porta e fresta neles bom olhado
Que irradia da luz no seu uniforme sagrado

Santinha fica ali
No altar 
Um quarto só para ela
Num andor só dela
Barro e pés. E assim seja.



Juliano Salustiano


21 de ago de 2017

Análise do retrato de Tatiana F.

Análise do retrato de Tatiana F.

Um sofá preto
Um cabelo negro
Um café escuro
Uma pele turva
E nada mais. 

Eu pensei que não estivesse mais viva, posando assim
Ou que nem esteve limpa
Na sujeira seca da poeira mais seca de seus olhos
Uma ruga curva atesta, completa
E nada mais.  

Viva nem está de olhos,
Mais viva em meus olhos
Cabelos pretos, desgastada
Viva onde eu vivo, uma escuridão que eu perco porque cisco e piso
Quando enfrento o dia
O ar que recupero cinza não enche nem seu pulmão direito.

Você é um risco que pode se ir amanhã
Na aurora grotesca, mas não vai – nem vem.

Um sofá,
Um Cabelo,
Um café, uma pele
E nada mais.

O seu vômito do mundo real eu não posso ver
É como tecer a mão ao vitrô de um espelho
Eu só posso te notar
E não te viver

Entre os estilhaços um sofá turvo
De suor das suas costas impregnadas aí
Um café preto como os goles
Das imagens de um belo museu visto num dia alegre,
Uma pele preta
Clareando e rodeando uma chama mínima, que resiste
Por hoje, entre esses cabelos ricos.

E nada mais. 



18 de ago de 2017

Branca





Branca
nata
água
irregular
vapor
se foi, e o choro congelou

Um floco de neve
no meio da cidade.
hei de admirá-la

antes que derreta.
E a essa obsessão dou
leve e farto nome de
sublimação minha
e terno é

ver derretida
frente a mim

Branca
nata
água.........
….............................................
inexata
ouvinte de Wagner
e a tempestade ser
ruidosamente quando me calo da tua necessidade e vejo verde blusa,
como um brasileiro no Natal.
Branca,
já para a cozinha!
Acabou o carnaval
a personagem nem é essa
mas preciso Emburrecer
para ser menos cativo de ti:
Branca
anca
pescoço e carne,
isso não se faz à tarde, como rima de papel;
só de noite faz fazer o tão mal,
quando se vai sozinho no médio
e se enlouquece tranquilo....
Sempre cai um floco
e eu sou aquele boneco,
daquela história,
de tudo branco pelo chão e pensamento
e encontra sua preta bailarina de sonho,
preta-nada, mas preta porque é de sonho, a sua neve
a sua insônia, conto infantil
….............................. antes de tudo.... co'umtraste........................
Branca
migaminha. outono ainda
….......................................................................................................!


2013

8 de ago de 2017

Brega



Brega

Achei que fosse um desmaio
Mas era só uma nuvem passando frente ao sol.
Isso é brega.
Imaginei ser um terremoto,
Mas era apenas  a fome apertando os pés
Sonhei que pudesse amor,
Mas era o frio na espinha
Mas o ônus de me enganar foram os filhos e os nervos da Glia.
A natureza é brega
Como os rios que de curvas
Se interrompem,
E se carregam.  
Perna deformada, unha feia e mãos com fome,
Conforme-se
A natureza é delas, daquelas,
Da queda,  é brega.
Casa comigo, vou morar com você num sítio...
A natureza é brega
E a fisiologia dos convites também.

Pensei ter uma felicidade
Mas era só coceira nos arcos da miséria
Sim, pode ser só ânsia de comer sem doiduras a paisagem,
Pode ser só meu ciclo mensal chamando a sangue ou a raiva
A natureza é brega
Por ser tesão de graça
A natureza é brega...
Só que a decisão do saber antes fosse minha
E a dó dos bichos também não
A natureza é brega
Tem o seu tempo
Trabalha contra o bonito da vontade  
Cerque o rico, mine o campo, explosão tudo, que nada a vence. Brega.
Pensei ser opinião, mas era um surto, um mau jeito.
A natureza é brega e se revela sem casca.
Padece que tremendo o bote
Balanga o peito, trovoa e chove
Sendo porém sós
Tão envolvidas lágrimas limpas
Aí certeiro!
Cemitérios
Que a natureza é brega
Fora de linha
E nada bolero toca de si.


15 de jun de 2017

Sem obstáculos


Sem obstáculos 

Sem obstáculos. Sem obstáculos o trovão vai longe; parece perto, carece eterno. Sem obstáculos o som do caio cai mais certo que um corpo, que caído uma vez, não termina seu destino. Sem obstáculos os braços apalpam sem mãos de ambição a crosta da Terra, sem cinismo há flores e se resta, presta. Sem obstáculos não há elevadores, tudo é todo rastejante e infesto, mundo incerto, tato avante, sem o de cor e aberto. Sem obstáculos se retira a portaria, o gradil e o parque-de-brinco, não tem anéis nos bolsos, não tem reuniões infinitas, não existe estudo sobre a insatisfação. Sem obstáculos, mesmo que pudesse encontrar, enfrentar outros olhos no hall, um novo a cada dia, gosto de lágrima, não seriam outras retinas na reluz a ver nádegas polidas, e não seriam outras a ver de volta olhos a perder a linha, se perdendo então até a maldita porta, pra calar outra vez o ensaio do que não vai ser concluído, para ser mais nada com o entulho chamado obstáculo. Sem obstáculos; obstáculo é o entulho com nome de plaza, piazza, de C.D.H.U, de sobreloja. É república inválida de siglas erradas, governada pelo paratortido da mágoa. Sem obstáculos o sangue vai longe, o ar para o bem disperso, e os urros para o infinito. Sem obstáculos o rosto no vento é filtro singular e nada mais. Dois entes iguais, sem as paredes da do social, da do de serviço, das garagens seriais, das dos arranhões do fisco, e no céu no escuro, da do silêncio polímero frio com as forças das penetrações rápidas e breves; da das discórdias isentas, de recipientes, de vasos de plantas artificiais, ou de encanamentos. Obstáculos. Sem obstáculos se pode chorar, vomitar e ter glicose nas atitudes. Sem obstáculos o rito é apenas abrir o olho, fechar todos os olhos e existir. Tão caro e tão barato que o ato se paga com os lucros em si mesmo feito, sempre efeito, sem obstáculos. Sem obstáculos: vive, sem obstáculos mato, mata não retribuída; sem obstáculos voz levante na lama sem asfalto, indo para o interior domim, sem dormir, interior do país. Sem obstáculos, uma bomba terá o efeito de um jamais, e uma lambida no beiço e o amor, portanto ecoarão mais ... Ainda mais que o som de todo artefato. Sem obstáculos, um copo de cerveza é o mar, e o gole seu é a cauda que foge da areia. Sem obstáculos a única ruína é o corpo e o único limite é Serra-do-mar ou a chapada de se des gastar. Sem Obstáculos!   



Juliano Salustiano


Imagem: Salar de Uyuni, Estado Plurinacional da Bolívia.

30 de mar de 2017

O anjo negro







O anjo negro é o que fica do lado de fora da igreja.
Reza pra ele que ele entende a dor de não ser.
 Reza pra ele,
 que serão dois mal-entendidos a menos, dois perdidos mais no mundo.
Reza para o anjo preto calado,
Que fica no canto de fora da catedral pra não que espante os hóspedes,
reza pr’ele que não dirá nada porque não ensinaram a consolar. O anjo negro não tem como te comprar uma vela nem questão faz. Reza  pra ele
Pra ver se és mesmo fiel tens que receber o nada no silêncio
de volta até mesmo um descuido de não  ouvir
de um bicho celeste chorando,
de um um anjo escuro e só.
O anjo negro é o que fica do lado de fora da igreja
Reza pra ele também
Entrar no panteão um dia
Com suas falanges duras de tanto pedir também

Reza pra ele também dar sua graça no brilho do céu de pomes ou sabão.



Juliano Salustiano

21 de jan de 2017

ONTEM



Ontem


Ontem melhora, disseram
E eu já tirei o Napalm do meu corpo
[. Ontem melhora
Te prometeram
Um homem mais sensível 
Um nome limpo
E uma estrela só tua
Ontem melhora
Fala o anúncio mais único e menos morrido em lux]

Ontem as cabeças, ontem os pratos
Ontem o enrosco, ontem a hortelã na minha carta
Ontem melhora, disseram!

Ontem as cidades divinas, ontem todo o conselho que te dei
Ontem um peixe desconhecido, ontem aquele homem enforcado das fotografias
Ontem a seca, ontem o ciúme

Ontem a tristeza, ontem o crime de se estar triste
Ontem agrados máximos, ontem as grades
Ontem melhora, disseram.

Ontem um riso do dia, ontem uma nuvem troça no céu
Ontem cortinas, ontem o homem do ódio aberto
Ontem uma dor, ontem um charlatão que engana a dor
Ontem a morena do dente de ouro, ontem o dinheiro por pouco



Ontem a fila grande, ontem a Ilha Grande.
Ontem a pisada de engenho, ontem as picaretas dos engenheiros
Ontem o doce de caju, ontem os doces de outrora do fim.
Ontem cento e onze, ontem não se sabe quem nem onde.
Ontem o lombo, ontem a carne assada
Anteontem aos ossos, às borrachadas
Ontem melhora, calma.

Ontem aquela parada para um abraço, Ontem um homem aceso no ponto de ônibus
Ontem pois somos todos Proálcool, Ontem melhora, meu índio, lhe disseram

Ontem o lírio antes do broto, ontem o chorar o leite dentro da vaca
Ontem o pobre branco, ontem a promessa armada
Ontem as marcas, ontem às marcas!

Ontem dia de Santo Antônio, ontem dia de mais ninguém
Ontem a parede riscada de giz de cera, ontem a lembrança do hoje
Ontem Lampião, ontem os fireworks na praia de Copa.
Ontem melhora, você já sabe

Ontem é o do que se queria, E ontem é o do que não se tem
Ontem o botão sem fardas, ontem sem ser terno
Ontem a chuva quente, ontem a sua aposentadoria
Ontem os projetos de labuta, ontem a democracia
Ontem melhora, disseram ...

Ontem o monotrilho, ontem a monogamia.
Ontem as suas mãos sobre mim, ontem o alívio 
Ontem melhora, disseram.






Juliano Salustiano




14 de jan de 2017

Áfora

Amar você é igual morar em rua de feira.





Juliano Salustiano.


fonte imagem: Bastidores da notícia Dracena 
http://bastidoresdanoticiadracena.blogspot.com.br/2016/04/feira-mais-antiga-se-mantem-aos-domingos.html

Arquivo do blog