23 de jun de 2012

Sem Título #1






Solva de uma vez esse copo sem brio
que de lúcida equação já temos  o tempo;
devolva, de uma vez
esse malote, esse pacote de traças...

e é um evento em que de verdade se gira
através do globo sem mágoas
o enorme de uma galáxia
maior que um eritrócito:
não precisamos de mais

E por mais-que-enquanto
deixe de lustrar o tão gentil sequestro
e pinte os móveis como sempre quisera
o móvel que não quer ser estuprado...
deixa,
deixa.
deixa o sujo... o imóvel surdo, santo, escuro
há THC nas gavetas, nos meios das meias,
na antessala...

e rirás tanto
do corpo de bolero arranhado,
que repetia no seu verso:

"Quero tanto, quero tanto...
meu espanto é que tanto esmero
tanto quiero..."


e se enrola nisso,
de querer o não quisto
numa de repetir festim de tiro,
e a vitrola solta um ruido parecido com o do cão:

Caim!

e vai tudo pro chão
flor do branco para as trevas escassas...

é frequência de mãos tamanha,
q'o tapetão abandonado dos infernos
vai dizer que os pés que nele estiveram
foram os mais leais de sujeira,
as pulgas e os caras pardos,
e que a louça muda fala com a outra tão bem
quando não lavamos os pratos...

Faça o que queira hoje, com tudo quesse nó que não tem
de vintem e de garganta,
de grito sem chanche pra outra...
porque  vai haver tão rápido o não-querer
e vão querer tanto que esse não-querer nos encontre, haja e consuma
pois o mundo vai se cansar tanto de ser quebrado
que o acesso ao seu excesso é mais que risco
mais que rico,
de nitizez desesperada,
rugida, um quebra-quebra.

Arquivo do blog