21 de out de 2012

Saiba

Me dói tanto
troncamentos de flores de gentes novas caídas
ao vento
ou levadas sem juízo ao céu, dizimadas.
Pétalas de pivete riscando a própria árvore
de dançarina vulgar ferida à bala,
ou pétalas de princesa, acidentada no fechar de baile
e o mal-estar silencioso, mímico,
que inscrevi nas minhas cascas impulsivas e frias que tanto requentou ao tempo
As peles das cascas de árvores estão todas gastas
E a febre, como todo o vento que passa
desabala folhas e más ruínas
doces, sólidas, intactas.
Sofrem desprendidas, defuntas magnólias ainda
choram decididas ao caso do próximo norte ser sereno.
E finquei rente à cerca delante ardente rancor de sentido, fronte e marca
colher da colher das frutas
mínimas
não são mais elas minhas
que o chão já carcomeu as mais brutas;
quem sou então,
de tentar eu o máximo podre curvar de esquivo ter-te?
As nozes, as morangas, e de novo às cascas
são ahora dissolvidas...
imundas, dissimuladas num pátio cor de metal
que se reluz pra dentro da própria imensidão, descompasso
desobedece as tuas crias, amor de morte
e as tuas leis curiosas, salgadas
e a brasa que os livros tudo reformam.
Vivemos quentes e moles e achamos tudo isso maneiro
perto dos trabalhos infinitos do mundo bate mais meu coração
diante de ti, que se derreteu em vós, de tantas outras
como Ruanda infectada, saiba.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Arquivo do blog