27 de mai de 2012

1918- Sem sentido-

Sou uma pessoa só
e tento me convencer disso
c'uma só cabeça...
Já me disseram que não sou um cometa
e me apontaram ser comum à estrela.
Uso espelhos para fulgurar junto às imagens diurnas das saias dos gestos;
às vezes são diversas, tão brancas e secas
e sequer balançam, não venta; corpos sem voz
A cidade parece uma Oslo deitada
em neve salgada com esgoto
- uma Oslo com lixo nas ruas-
-agouro com sopro de festa-
e o trabalho com o suspiro que resta do seu corpo.
Carrossel, cavalinho, podem ser globo da morte
que brinca com os vãos mais gastos
sem o carinho
dos meus olhos caros que acompanham o movimento da rua.
Meia manga fiada à unha
meia manga de areia suja
e o azeite, que unge e suga
traz a sorte, um vermicida no prato
gregos jantando...
ameixas outras..
que boiam no vaso com licor
que a meiga menina em blusa,
quase lua
não deixa que eu me esqueça
que há outras nos beirando
a esquina
seminuas... da mesa:
Ameixas cruas;
dois copos de vinho à galeria
estações escuras
de binóculos vejo um homem fugir no infravermelho
com uma mochila às costas
e uma criança dentro dela, pequena:
Estão fugindo com Oslo rente as costas
Ele está levando o país entre as bostas...
s'embora
talvez para um esconderijo em Oslo mesma
de tantas pedras
sem pegada e rastro.
Raciocínio
nossos olhos estão cheios de ácido
que de amarelo ornam,
ornam, ornam...
e só (e eles nos convencem disso...)
tal que os dentes bebem
pelos buracos mal obturados dos cascos, ratazanas
e rosnam a vontade dura de serem unos também,
cada qual com um nome; homens nobres de cálcio; disso convencidos.
A penúltima estrela não se move
e os lábios os agarram sem juízo, com língua e tudo
pra conter... conter...
preciso me ser o me:
o não me perturbe, e o me desculpe...
As lamparinas de Estocolmo duram a até Agosto
que é quando começam a esquentar
de novo a cidade
e seu piso colorido de saias largas,
rodadas, até em baixo, pra combinar com o joelho cinza,
e minha doente luta
de fazer de tempos climas
ser no meio, com algum sentido
definida,
definitiva estação.
Tempestade.

Arquivo do blog