16 de ago de 2013

Confissão


Confissão


Ela disse que queria só amizade;
e meu presidente disse que ia tudo bem.
Células se multiplicam com pena de serem cópias desiguais.
Não uso meu sorriso para além do dia e  da simpatia, e o Gallileo é meu guizo.
Como uma igreja ambulante
perco a fidelidade, que vaza pelas praças entre crises e cristais
quermesses mortas, e bailes funk. Tudo não presta fora de si.
Mas, se o dentro de si existe, como templo, um vazio e Michelângelo,
uma estalactite desponta como um manto e corroí o que preenche o sol que me poupo. 
Venero a agnose no mundo dos agnósticos , e pensar nisso parece a minha heresia prima.
E no planeta dos diagnósticos, eu ainda remoo ódios, e eles dão  apelido ao ocitano ócio, beira de praia, quando vejo casais abraçados; elucubro sexo entre os tais nas ruas em que cruzo, mas sem que eu me existisse de fato entre eles; só mais um voyeur, 
galvanizando antimoral um pombo ou noutra figura urbe e clássica.
Espia, fezes, espia, e faz-se assim a crítica e o pensamento. Não se veem com curiosidade e gansos os acidentes de moto ?
Minha cobertura é menos nociva...
O céu me conta que hoje será frio
meu coração, não. Insiste em ver. Doutrinas, nuvens e piadas são irmãs antigas.Preveja, e Outro dia elas nem aterrorizam mais.
Lamuriosa , sem glamour e digna, que  não traz lágrima. Estação de metrô . Que foi? Está sozinho ? Está mudo ? Cansado e omisso ? Está doente? Tá mais para povo?  que sente e implora? Como?!
Pena em não ser como o gás? remorso?
São treze Ave Marias para livrar-me o mal
Vão treze canais a cabo me instruindo
e
fotos contestando a minha tristeza, dez mil delas :
clico
e apareço.
Clico;
e vou eu de novo, montado num burro
clique :
e aquela  viagem para Parati.
Tinha ido eu para Parati!? Nem me lembrava.
Tinha ido se me lembrasse de que não lembraria ?
Meu orgulho disse que sim.
Copacabana não precisa ser a minha princesinha.
Copacabana só precisa brilhar. Ser amante com uma estrela falsa;
lixo para pegar de manhã; e o pego.  Que não Conste no meu ábum.
Detesto mar.
meu tio morreu afogado ...
mas disso não se fala.
Clico ... e quem é esse ?
detesto palavrão escrito em forma de elogio.
deleto.
e não convenço de que a minha gramática não deve ter inglês. Somos criados assim, para sermos em inglês, de só se querer, e não sermos assim.
Não durmo bem. Tudo indica que penso.        
Meu pensamento diz que quer só amizade.
clamo pra que não seja via web. Quero comigo.
São cinco padres nossos todos os dias
e cinco poesias cínicas para acobertar o péssimo :
Homens donos de terras e de gente foram donos de toda a Terra
há mil anos atrás,
e com o hoje vai-se tudo assim também.Repetindo.
Como sinos da capela grande, a engolir os Titãs que hora nos vencem; culpa que desminto ter.
Detesto moscas, mas elas são úteis.Bein!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Arquivo do blog